VOTO ZERO significa não votar em fichas-sujas; omissos; corruptos; corruptores; farristas com dinheiro público; demagogos; dissimulados; ímprobos; gazeteiros; submissos às lideranças; vendedores de votos; corporativistas; nepotistas; benevolentes com as ilicitudes; condescendentes com a bandidagem; promotores da insegurança jurídica e coniventes com o descalabro da justiça criminal, que desvalorizam os policiais, aceitam a morosidade da justiça, criam leis permissivas; enfraquecem as leis e a justiça, traem seus eleitores; não representam o povo e se lixam para a população.

domingo, 29 de maio de 2016

A CORRUPÇÃO ACUADA



ZERO HORA 28 de maio de 2016 | N° 18537

EDITORIAL


O Supremo Tribunal Federal é o último refúgio da cidadania. Não pode se dobrar a pressões nem transigir com qualquer tipo de ilegalidade.

Seria ingenuidade imaginar que a Operação Lava-Jato vá acabar com a corrupção no país, mas a cada nova etapa da investigação comandada pelo juiz Sergio Moro, com participação ativa do Ministério Público e da Polícia Federal, corruptos e corruptores sentem-se mais acuados. Esta angústia da indecência pode ser percebida nos altos escalões da administração pública, especialmente entre os políticos que estão sendo investigados ou que têm algum tipo de envolvimento com práticas ilícitas.

As últimas gravações de conversas entre autoridades suspeitas revelam não apenas o pânico das delações como também a busca do foro privilegiado como uma tábua de salvação. Nesse sentido, chama a atenção o empenho de alguns políticos em alardear intimidade com ministros do Supremo Tribunal Federal, bravata que os magistrados rejeitam com veemência, como fez o ministro Luís Roberto Barroso, em recente fórum de debates promovido pela revista Veja. “É impensável supor que alguém tenha a capacidade de paralisar as investigações. Ou que qualquer pessoa pode ter acesso ao Supremo para parar as investigações. O ministro que chega ao Supremo só responde à sua biografia e a mais ninguém” – garantiu em nome de seus colegas de toga.

É essencial que seja assim. Como guardião da Constituição, o Supremo Tribunal Federal é o último refúgio da cidadania. Não pode se dobrar a pressões nem transigir com qualquer tipo de ilegalidade. Se os políticos estão inconformados com institutos legais, como a delação premiada nos moldes em que vem sendo executada pelos operadores da Lava- Jato, ou com a prisão de condenados em segunda instância, é à Corte Suprema que devem recorrer. Como ambas as demandas já foram apreciadas e chanceladas pelo tribunal superior, resta-lhes andar na linha para que não sejam flagrados em malfeitorias.

Vale para homens públicos e para todos os demais cidadãos, pois o que precisa mudar no país não é legislação, mas sim a mentalidade daqueles que ainda pensam que a corrupção continuará sustentada na impunidade. O apoio inequívoco da sociedade à Operação Lava-Jato mostra que os brasileiros, com as exceções referidas, escolheram o caminho da honestidade e da decência para reconstruir o país.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/